Kelly Slater

Kelly Slater
Clique na foto e veja o inacreditável

sábado, 26 de fevereiro de 2011

A História de Landim









Orago - Santa Maria/ Nossa Senhora da Assunção Área - 4,6 Km2      
Ordenação heráldica do brasão e bandeiraPublicada no Diário da República, III Série de 09/03/2001
Brasão de Armas:

Brasão: Escudo de vermelho, mosteiro de prata lavrado e realçado de negro, entre dois cachos de uvas em chefe de uma roda de azenha em ponta, tudo de ouro; pé ondado de preta e azul, de três tiras. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: “LANDIM”.


Memoria Descritiva e Justificativa dos Símbolos Heráldicos:

Roda de Azenha: Representa a abundância da água nestas terras, propícia ao cultivo dos seus vinhos e a toda a agricultura.
Burelas Ondeadas: Representa o rio que atravessa a freguesia, o Rio Pele, e o Rio Ave que delimitava a antiga “Vila Nandini”.
Cachos de Uvas: Simbolizam a cultura do vinho verde, que nesta freguesia está e sempre esteve implantada. Mosteiro: Representa o antiquíssimo Mosteiro de Landim, fundado para nele se instalarem os Cónegos Regrantes de São Agostinho.

História de Landim

Origem dos Landins

Na região do “Braga”, no norte de Portugal, tem um distrito na região sudoeste, chamado “Vila Nova de Famalicão”, que foi sede administrativa, judicial e social da importante terra de Vermoin. Sua história remonta aos anos de 1205, povoado inicialmente por D. Sancho I. Com a criação do novo conselho de Vila Nova de Famalicão, o Castelo de Vermoim perde sua importância e Famalicão torna-se um lugar de grande relevo no julgado de Vermoim. Em 1841, por cedência de Da. Maria II, Famalicão é elevado a vila. Em 1850 torna-se mais importante com a abertura da estrada Porto/Braga, e apenas em 1985 Famalicão torna-se cidade. Nesta cidade de Vila Nova do Famalicão tem uma freguesia (bairro) chamada “Landim”. Nesta freguesia tem o Mosteiro de Santa Maria de Landim, cuja fundação se atribui a antes do séc. X. À volta do Mosteiro de Landim contam-se estórias de santos, milagres e aparições. Assim aconteceu com D. Pedro Garcia, falecido em 1198 e ali sepultado. Em 1548, D. Antônio da Silva circulava pelos claustros do mosteiro e, a certa hora, sentiu suave cheiro. Mandou abrir a sepultura em que saiu maior fragrância e encontrou o corpo de quatrocentos anos incorrupto, todo inteiro. “Landim” conheceu nesse dia o seu primeiro Santo.O mais antigo Landim que se conhece chamava-se “Estevão Anes de Landim”, que era donatário das terras de Candeias e Mecansos, em Santa Maria de Oliveira, por carta de D. Fernando, em 1373. Seu filho “João de Landim”, foi vassalo de D. João I, casou-se com Da. Maria de Vasconcelos, que era filha de Men de Oliveira com Da. Joana Garcia. Este João de Landim, que deu origem a todos os outros Landins que se conhece, foi sepultado à porta da Igreja de Santiago de Estremoz.

Resenha Histórica:

Quando se fala em Landim há um não sei quê de balsamo que nos enebria a alma. A fonte deste prazer advém dos encantos e da beleza românica que o augusto Mosteiro transmite oferece aos seus habitantes e visitantes. De facto, trata-se de um dos exemplares mais emblemáticos do estilo românico da região Entre-Douro e Minho.
Respeitado com carinho e admiração, este notável legado histórico do século XI, tem sido, desde há muito tempo o principal ponto de atracção turística da localidade. Fundado pelo conde D. Rodrigo Forjaz da Transtâmara, filho do conde D. Forjaz Vermui, um dos companheiros do conde D. Henrique, foi reedificado por D. Miguel da Silva, casa dos Silvas da de Portalegre, bispo de Viseu e cardeal de Roma. A sua igreja venera a imagem de Nossa Senhora de Landim, outrora denominada por Nossa Senhora de Basta. Mas o peso da História passa, também, pela Irmandade de Senhor das Santas Chagas, instituída pelos próprios Landinenses em 1570, com o intuito de acompanhar o Homem em toda a sua dimensão humana. Na realidade, ainda hoje, há freguesia que nutrem um amor inefável por esta confraria… As várias capelas que a freguesia possui, para além de varias alminhas em Ponte, Burgo, Boavista e S. Brás, e das inúmeras heranças românicas, remetem para um passado longínquo, mas historicamente valioso…


Fonte : http://descendentesquincovasques.blogspot.com/search/label/Nossas%20Raizeshttp://www.youtube.com/watch?v=HnBa8cTi7Bk
E um problema sério!  Tem uma outra versão na história da família:




5 comentários:

Jonas Klebio Landim Santana disse...

Saudações Marcelo, também pertenço a esta nobre família, estou pesquisando a história da origem de nossa família, inclusive o blog www.descendentesquincovasques.blogspot.com.br fui eu quem criei. Realmente a história da família LAndim tem duas versões, eu gostaria de saber qual é a verdadeira. Vi no seu blog imagens de um Brasão da Família retirados do Livro Armorial Lusitano, estou a procura deste Brasão e deste Livro. Você sabe me dizer como posso encontrá-lo? Abraço

Jonas Klebio Landim Santana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Ferreira de Landim disse...

Eu postei,primo. Está copiado em preto e branco. Tem um felino.

jose valter ferreira silva disse...

Minha vó materna era landim ,não sei se dá mesma família gostaria muito de saber

jose valter ferreira silva disse...

Minha vó materna era landim ,não sei se dá mesma família gostaria muito de saber